Connect with us

Tecnologia

Caso Henry: Software israelense foi decisivo para polícia ter acesso a mensagens apagadas

O Brasil ficou chocado com o caso do menino Henry Borel que, segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro, foi morto após agressões causadas pelo vereador Dr. Jairinho (expulso do Solidariedade) e encobertas por Monique Medeiros, mãe da criança. Uma das principais provas do inquérito são conversas recuperadas no celular de Monique, que relatam outros momentos de tortura sofridos pelo garoto de 4 anos.

A polícia utilizou um sistema israelense chamado Cellebrite, que afirma ter acesso completo a celulares Android e iOS de última geração. Este não foi o primeiro caso no qual o software foi utilizado no Brasil: fez parte das investigações referentes a prisão de Fabrício Queiroz – ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, assassinato da vereadora Marielle Franco em 2018 e investigações da Vaza Jato – vazamentos de conversas privadas da equipe que atuou na Operação Lava Jato.

Henry Borel e a mãe Monique Medeiros. Imagem: Redes Sociais

No caso Henry, o Cellebrite possibilitou que os investigadores tivessem acesso a mensagens trocadas por Monique Medeiros com a antiga babá da criança. As duas conversavam sobre um episódio em que Dr. Jairinho havia se trancado no quarto com o garoto e agredido ele. Ao analisar as conversas, a Polícia Civil constatou que a babá e a mãe de Henry mentiram em depoimento ao relatar que não tinham conhecimento das agressões.

As mensagens haviam sido apagadas do celular de Monique, porém isso não impossibilita o acesso a esses dados. “O Cellebrite foi uma prova técnica essencial, muito forte”, disse o delegado Antenor Lopes, diretor do Departamento Geral de Polícia da Capital (DGPC).

Com o passar do tempo essas informações da lixeira são sobrepostas por outras, o que torna a investigação uma corrida contra o tempo para que não sejam perdidos dados e provas fundamentais, como as conversas de Monique. E, ainda com a sobreposição, alguns dados são vasculhados por meio das nuvens dos aplicativos.

As conversas da mãe de Henry foram realizadas no WhatsApp e muito se falou sobre a criptografia do aplicativo de mensagens, mas o Cellebrite acessa dados presentes no celular e em serviços de nuvem como Google Drive e iCloud, nos quais são realizados backups das conversas. Ou seja, são acessadas as conversas descriptografadas que estão salvas no aparelho celular e as presentes em serviços de nuvem são decodificadas, possibilitando a organização da estrutura textual.

Via: olhardigital

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gilmore Girls: nova temporada ganha imagens inéditas

Cinema e Tv

22 de Setembro: Netflix estreia Easy, nova série com Orlando Bloom

Cinema e Tv

Que tal se livrar das postagem do BBB no seu Facebook?

Dicas e tutoriais

Conheça os personagens de 13 Reasons Why

Cinema e Tv

Advertisement
Connect
Recebas as Novidades